terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

SINE QUA NON*


Foto by Fernando Campanella

Ah, este instante na tarde
quando o sol bate seu ponto
e se despede
de um afugentar as sombras,
de mais um dia de claro ofício.
Pago, pelos préstimos,
ao operário sine qua non
com a moeda de meus sonhos,
um certo dourar de meus sentidos.
Logo à noite, vou desejar
que no outro dia retorne,
que nunca me deixe sem seu brilho.
Posso, então, a alma estendida
ressonar: a luz, eu sei,
em seu percurso me busca
e sempre haverá de me achar.

FernandoCampanella

* Sine qua non: latim, locução adjetiva,
'sem o qual não'. Espressão com que se
qualifica uma cláusula ou condição sem
a qual não se fará certa coisa.

4 comentários:

  1. Um tributo ao astro rei, aquele q impera e que passa desapercebidamente. Mas q com seu brilho e calor faz a terra e seus seres mais iluminados! Perfeita, belo escrito! Parabéns!!

    ResponderExcluir
  2. Obrigado, Antonio Carlos. Este poema veio de um momento muito especial em minha vida.

    ResponderExcluir
  3. Belíssima arte!!
    Vi um fragmento deste no sítio olhares,com como descrição da foto de alguém e assim que li me chamou a atenção! Se não se importar... coloquei-o no perfil do meu Orkut, no link http://www.orkut.com.br/Main#Profile?uid=18432783652958178098 caso tiver conta. Porém, respeitando seus direitos autorais, merecidos!

    Obrigada por fazer deste mundo mais bonito com sua arte.

    ResponderExcluir