domingo, 22 de março de 2009

ALQUIMIA


Foto by A. Carlos Januário

Bom dia, minha jaqueta surrada,
reincorporo-te como a uma identidade, a um eu
imune aos ecos do mundo,a uma canção de amor
tão gasta, e ainda sempre,sempre, ressuscitada.

Bom dia, meu ninho, onde ao largo do dia
me deito, resvalo dos elos concêntricos
e disparo meus sonhos, em mais íntima revoada.

Retomo-te, minha outra natureza, e contigo escrevo,
adentro o reino dos meus velhos poetas -
meus alquimistas dos sonhos –
da realidade mais sutil, imaginária.

Bom dia, meus sóis com chuvas,
meu arco, meu ouro, meu pote de luz
- claras núpcias de minhas raposas e viúvas.

Fernando Campanella



6 comentários:

  1. Oi Xinando! = ) é sempre um carinho pra alma sua poesia... bjim e linda semana! Elisa

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pela visita, Elisa, fiquei muito feliz. Que bom, então, um carinho da alma de um grande amigo teu. Bjos, volte sempre.

    ResponderExcluir
  3. Hei poeta! Maravilhoso "Alquimia" . Li algo interessante e c certeza, digo que um bom leitor é feito por um bom poeta! Vc desperdiça talento! Esse poema soa como uma linda canção! Ah e obrigado adorei ver minha foto lá!

    ResponderExcluir
  4. "Bom dia, meu ninho, onde ao largo do dia
    me deito, resvalo dos elos concêntricos
    e disparo meus sonhos, em mais íntima revoada."

    Passear por aqui é mesmo acarinhar a alma, como disse a Elisa aí acima...

    Bjs.

    ResponderExcluir
  5. Obrigado, Antonio Carlos, a recíproca é verdadeira: bons leitores fazem bons escritores. O carinho de quem lê o que escrevo é um estímulo para que eu sempre escreva melhor.

    Obrigado a vc, tb, Flor. Minha alma fica acarinhada com tua presença aqui, tb.

    ResponderExcluir