terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

TO THE NIGHT


Foto by Fernando Campanella

This huge imponderable silence
revives dead things
by casting its charms
upon the light.

Time to sedate,
to overflow the glasses
with moon's fluids -
and here's to the night.

Fernando Campanella

O poema acima surgiu de uma inspiração após ler um poema de Wallace Stevens, enviado hoje por minha grande amiga Maria Madalena. Foi escrito assim, em inglês, e encontrei uma certa dificuldade em vertê-lo para nossa língua. Estou postando, abaixo, uma versão um tanto quanto apressada do mesmo, passível de reconstrução, para passar uma idéia de seu conteúdo.


À NOITE


Este silêncio,
vasto e imponderável,
revive as coisas mortas
atraindo a luz
em sua corte.

Tempo de sedar,
de transbordar as taças
com fluídos de lua -
e de brindar à noite.

Fernando Campanella


Ouçam o youtube da música escolhida para esta postagem, a 'Dead things' by Philip Glass:



Obs. Os poemas que escrevo em inglês, bem raros, por alguma razão inconsciente sempre giram em esferas temáticas de luz/sombra. Talvez a língua inglesa seja para mim um idioma que melhor expresse a minha porção romântica, noturna.
Abaixo, o poema de Wallace Stevens, enviado por minha amiga, a quem agradeço pelas pérolas que encontra.

Valley Candle


My candle burned alone in an immense valley.
Beams of the huge night converged upon it,
Until the wind blew.
The beams of the huge night
Converged upon its image,
Until the wind blew.

Wallace Stevens (1879 - 1955 / Pennsylvania / United States)

13 comentários:

  1. Dear Fernado, se tu soubesses como teus poemas são belíssimos em inglês, escreveria muitos mais!
    São lindos, inteligentes, enfim, são todo um conjunto da boa literatura inglesa.
    Meus parabéns, e esperamos muitos mais!
    Kisses in your beautiful soul.

    ResponderExcluir
  2. Minha preferência fica sempre para a língua portuguesa, muito mais bela. O poema, ótimo.

    ResponderExcluir
  3. No processo cirativo há de se respeitar a permissão, esteja ela em que idioma estiver.
    Cadinho RoCo

    ResponderExcluir
  4. O regime nocturno das imagens literárias anda pela língua inglesa, sempre. É uma língua assim, vem das brumas e da noite. O processo é interessante.
    Prefiro, claro, a nossa língua.
    Beijo

    ResponderExcluir
  5. Gosto de teus poemas em português... e em inglês também! São belos e cadenciados. Conseguem expressar bem essa temática luz/sombras a que se refere.

    Bjs.

    ResponderExcluir
  6. Poeta amigo!

    Penso que sentir inspiração ... deixar falar ao coração... e se expressar em q lingua desejar... fica perfeito!

    (mesmo q as vezes alguem peça a tradução)
    rsrsrsrssssssssss.........

    *.*

    ResponderExcluir
  7. A linguagem da poesia é universal, a mensagem é a mesma. Alguns idiomas permitem uma sonoridade mais poética, outros menos. O que importa é a mensagem deixada. Ambos são lindos e ainda com a imagem ficam mais ainda! Abraço! E respeito opiniões!

    ResponderExcluir
  8. tá tudo lindo D+, quer em nossa língua (que prefiro, pois não existe outra igual) quer no inglês... tudo toca e toca lá no profundo mesmo de cada um de nós...

    e como dizia nossa grande cora coralina: "nada do que vivemos tem sentido, se não tocarmos o coração das pessoas."

    um beijo

    ruby

    ResponderExcluir
  9. Isso é só mais um depoimento a respeito desse assunto; convivi quase q a minha vida toda com entes queridos q vieram da Áustria e Alemanha.
    Nas reuniões gostavam de citar provérbios ou contar anedotas da terra natal... o que muitas vezes era recebido pelos brasileiros com um ponto de interrogação e nenhum senso de humor, ao q eles retrucavam: _ É que em alemão rima!
    (querendo dizer; faz sentido)

    Hehehehehehehehehehehehhhhhh........

    Bjus!

    *.*

    ResponderExcluir
  10. Estimado amigo, mais que amigo, um irmão em alma mesmo!
    Voltei!Tinha que deixar mais um pequeno comentário!
    Primeiro, que faço minhas as palavras desse nobre causídico e incomparável gentleman, dr Antonio Carlos Januário, sábio ele, sempre!
    ‘Opinião minha’, quando a gente ‘ vive’ um idioma, como no teu caso o inglês, é claro que as idéias nascem nele, porque ele passa a ser o nosso principal meio de expressão e pensamento, no qual você se expressa lindamente, e que talvez até, nem teria tamanho sentimento ou efeito desejado, em nosso idioma.
    Novamente parabéns, adoramos seus poemas em inglês, esse idioma de vasta e bela literatura.
    Kisses my brother in soul!

    ResponderExcluir
  11. O silêncio é íntimo. A sua medida é a medida da alma. Mínimo e vasto - pode ser sentido no íntimo da alma, que não tem medida.
    O silêncio é a poesia.
    Abraços, Campanella.

    ResponderExcluir