segunda-feira, 10 de maio de 2010

NOVELOS


Foto by Fernando Campanella


ora dois flamingos bordados
ora teias despidas de luz
teus olhos lembram tramas
e desfechos -
infinito costurar e desfazer
da paixão

o azul que me chama na tarde
logo são galhos que entrançam
labirintos por onde enredo

teus olhos que me adentram
- estes novelos dispersos

Fernando Campanella


12 comentários:

  1. Teu poema plasmou uma bela imagem e a bela imagem que o ilustrou, é uma bela poesia.

    abraços

    ResponderExcluir
  2. A poesia começa no olhar. A cor, o azul, os flamingos, tudo é imagem - o quadro está pronto para a poesia. Poeta, toma o pincel - da palavra - e recria a cor da beleza.
    Muito bem, Campanella.
    Abraço amigo.

    ResponderExcluir
  3. Ai que lindo, amigo! Lindo poema e linda a foto escolhida!
    :)
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Belíssimos poeta, poema e foto!

    ResponderExcluir
  5. "o azul que me chama na tarde": este verso me encantou, Fernando.
    Vc já sabe, eu me pego em verso, versos, estrofe...

    ResponderExcluir
  6. fernando,
    na boa?
    seu blog é um lugar tranquilo dentro de mim.

    isso aqui me pacifica, sabia?

    ResponderExcluir
  7. Estou "pescando" cochilando... serenamente... quase em "alfa" ouvindo os seus sons e entranhando seus versos.

    *Mari*

    ResponderExcluir
  8. O razer começa pelo olhar. Nas pupilas de água se abrem os rios, se esperam as marés...
    Um bom e inspirador poema, o teu.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  9. Voltei para reler.
    Beijo e bom fim-de-semana

    ResponderExcluir