segunda-feira, 30 de março de 2009

FAC-SÍMILE


Artist's rendition of the view from a
hypotheticalplanet orbiting Alpha Centauri A

Estrela, minha Alfa Centauro,
ou uma outra qualquer
a inumeráveis anos-luz de indiferença,
sou um terráqueo instável , nem me sabes,
mas gosto à noite de deitar-te em meus olhos,
cansado das luzes nervosas onde me lavro.

Estrela, meu astro reinventado,
por que assim, enternecido, de ti me enamoro,
na funda noite exorcizado ?

Serias como humanos
que de longe nos encantam
trazendo de perto o cheiro de entranhas,
o encadeamento dos hábitos?

Apascentarias ovelhas à tua órbita?
Saberias da duração de tua glória?

E se eu te tocasse e te dissolvesses em absurdos ares?

Se eu te devorasse , terias de mim próprio
a consistência mesmíssima de um pó,
a fragilidade de um pirilampo -
tudo tão simples fac-símile de tudo
tão em si mesmo desmitificado?

(Estrela, tua terna esfinge me basta.)

Fernando Campanella, 2007


1) Veja o vídeo sobre Alfa Centauro

http://www.youtube.com/watch?v=aKLWuXmUScs




7 comentários:

  1. Parabéns Fernando, um dos poemas prediletos de sua lavra, adoro ele, e a ilustração está maravilhosa!! Abraço forte.

    ResponderExcluir
  2. Muito obrigado, querido amigo, este poema é muito especial para mim. Particularmente, o último verso me toca: Estrela, tua terna esfinge me basta.
    Tua visita me incentiva e me faz criar mais e melhor. Grande abraço, volte sempre.

    ResponderExcluir
  3. Magnífico querido!
    Magnífico!

    Viu? Por aqui estou conseguindo me comunicar.
    E você como sempre; Maravibelo!
    Bj GRDE!

    *Mari*

    ResponderExcluir
  4. OBRIGADO, QUERIDA AMIGA. FICO FELIZ COM OS RECADINHOS DOS AMIGOS AQUI, ÀS VEZES SINTO QUE MINHA 'CASA' FICA UM POUCO ABANDONADA, RS....BJOS, VOLTE SEMPRE.

    ResponderExcluir
  5. Bom dia, Fernando!

    Estou de volta depois de um tempo conturbado. Estou tentanto colocar a leitura em dia... me deparo hoje com este poema belíssimo que nos inspira a alcançar estrelas!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Obrigado, Flor, tenho um enorme carinho por esta poema, uma conversa com o mistério que supomos que existe no universo. Grande abraço.

    ResponderExcluir