sexta-feira, 13 de março de 2009

LUAS BRANCAS


http://www.overmundo.com.br/_
banco/img/1188321615_lua_agua.jpg

O medo de te perder
é o medo de me encontrar
- e trevo silente
ao sem-eira do vento
ao remoinho das brancas luas
retornar

Síndrome das crateras vagas
das horas nuas.
( Ai do estéril ventre
de toda antiga ausência
da sombra das palavras tuas.)

Fernando Campanella


9 comentários:

  1. Adorei o poema...
    Como sempre!!!
    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  2. Puxa, que inspiração poeta! MARAVILHOSO POEMA!!Essência pura!! Maravilhoso, dentre o rol dos mais lindos q vc já fez, sem exagero... Abraço...

    ResponderExcluir
  3. Teus versos são sempre aconchegantes e nos falam ao coração, poeta!

    Lindo!

    ResponderExcluir
  4. Com exagero ou sem exagero... me tocou fundo na Alma, e sendo assim,...só penso q devo agradecer-lhe por essa sensação de deleite!

    Obrigada querido!

    *Mari*

    *.*

    ResponderExcluir
  5. Campanella, volto ao seu blog e o vejo com poemas magníficos, imagens de perder o fôlego. Parabéns, amigo. Beijinhos.

    Sylvia Narriman Barroso
    www.passagensemarcas.blogspot.com
    www.sylvianarriman.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Obrigado, Amalia, Flor, Antonio Carlos, Mari e Sylvia, pela visita ao nosso blogger. São pessoas sensíveis como vcs que me estimulam a escrever mais e melhor. Grande abraço.

    ResponderExcluir
  7. Querido escrevo um livro seus poemas são
    lindos gostaria de coloca-los pois tem tudo a
    ver com o que escrevo...

    ResponderExcluir