segunda-feira, 4 de maio de 2009

CARROSSEL


Foto by Fernando Campanella

Os braços são mínimos
e o espaço da cabeça
é um atônito girassol.
Ouve, que o coração
resguardado ensaia
e ainda que mil vezes frágil

não há que se abortar.

Fernando Campanella (1986)

4 comentários:

  1. O Girassol

    Sempre que o sol
    Pinta de anil
    Todo o céu
    O girassol
    Fica um gentil
    Carrossel.

    O Girassol é o carrossel das abelhas

    Pretas e vermelhas
    Ali ficam elas
    Brincando, fedelhas
    Nas pétalas amarelas...

    ................

    Vinícius de Moraes

    *Mari*

    ResponderExcluir
  2. "...o espaço da cabeça
    é um atônito girassol..."
    Isso é tudo!! Beleza!!
    Abraço, poeta!!

    ResponderExcluir
  3. Gosto muito, Mari, quando vc faz relação de meus poemas com outros. Eu não conhecia este poema do Vinícius, interessante que ele usou a mesma comparação entre girassol e carrossel. Só que a poesia do Vinícius é mais leve, rs....

    Obrigado, Antonio. De onde fui tirar esta idéia de um atônito girassol? Se vc, o eu mesmo, perguntasse a mim isso, eu não saberia responder. Veio, gostei e fica. Grande abraço.

    ResponderExcluir