segunda-feira, 4 de maio de 2009

CRUZ DO MELEIRO



Foto by Fernando Campanella

Era uma cruz na crista do morro,
lenho engastado de líquens,
pousio de quero-queros;

um espanta-corisco
para quando a tormenta desce

e um ângelus gravitando as asas
na tarde.

Intersecção, e ainda integração
das grandes águas:

braços para as folgas do mundo,
tronco para a continência do céu.

Vocatus adque non vocatus Deus aderit.*

Fernando Campanella, 1991


* "Invocado ou não invocado, Deus está presente" Carl Gustav Jung, o renomado psiquiatra suíço, esculpiu esta inscrição em latim sobre a porta de sua casa em Kusnacht na Suíça. Em uma carta de 19 de Novembro de 1960, Jung explica que o aforismo foi encontrado em uma cópia da edição de 1563 da Collectaneas Adagiorum, de Erasmus, uma compilação de analectos* de autores clássicos. Trata-se, o dito, de um oráculo de Delfos. O psiquiatra o colocou sobre a porta de sua casa para lembrar aos pacientes , e a si próprio, que "o temor a Deus é o princípio da sabedoria" (Timor dei initium sapiente). Para ele, com esse aforismo em mente, uma novo caminho, não menos importante, começava, uma abordagem , não do Cristianismo, mas de Deus em si próprio, e isso lhe parecia ser a questão fundamental.

*Analectos: coleção de escritos, aforismos ou ditos célebres.

7 comentários:

  1. Ai! Q lindo isso!

    * "Invocado ou não invocado, Deus está presente"

    Carl Gustav Jung

    (Mas não custa nada fazer um lembrete
    vezenquando prelezinho não se esquecer
    da gente, né?)_Vai q ele se distrai!

    Hehehehehehehhhhhhhhh........

    *Mari*

    ResponderExcluir
  2. ... E que ele sempre se faça presente!

    (dando-te a cada dia mais inspiração)

    Bjs.

    ResponderExcluir
  3. Muito obrigado, Mari, por mais que tudo mude, as coisas, os tempos, a tecnologia, haverá sempre um eco de Deus dentro de nós.

    Obrigado, Flor, a inspiração, seja lá de onde venha, é o que nos dá o ritmo certo para a poesia.

    Vc já disse tudo, Antonio, e fico muito grato por usar um adjetivo máximo pra este poema.

    ResponderExcluir
  4. Que Ele sempre se faça presente, sim, Flor, nos momentos de alegria e de dor. Grande abraço.

    ResponderExcluir
  5. Obrigado, Antonio Carlos, tua alma engrandece o que eu escrevo, sintonia pura.

    ResponderExcluir