quarta-feira, 20 de maio de 2009

LUNARES


Foto by Fernando Campanella

Ora enigma, e oráculo, ora reminiscências de Li Po; ora aridez, e tentáculo, ora floreado barroco, ou de uma 'art noveau', a lua em três tempos, seus motos e motivos em mim:


A lua é um criptograma.
Decifra-me - diz ela
à minha metade analítica
e trôpega.
À minha outra porção,
mais distraída
ante o mistério das coisas,
ela sussurrra apenas:
bebe de meu halo e sonha.

Fernando Campanella, 1992

Lua retrô
De Kioto
Da monja implume
De mel

De meu silêncio oco

Lua nouveau
Do esgoto
Do vaga-lume
Da sarna ardente

Do ovo choco.

(Fernando Campanella,09 de Março de 2009)

Lua, lua, lua,
três vezes giro
para retornar
à fria estática
de teu silêncio

(nada, nada, nada
senão eco
reflexo
de meu pensamento)

(Fernando Campanella, Maio de 2009)

3 comentários: