sexta-feira, 5 de junho de 2009

LÓTUS





Acima, um trabalho de formatação de minha amiga Leila Laderzi com meu poema e foto de meu amigo Antonio Carlos Januário. Agradeço aos dois por comporem comigo esta bela imagem. Três sensibilidades unidas pela arte.

O poema acima encontra-se em duas versões, difícil optar, apresento as duas:

Lótus
Meu lago
meu lodo
o todo obscuro da alma.

Ali onde tantos se afogam
eu sonho meu lótus
eu escrevo nas águas.

LÓTUS
Meu lago
meu lótus -

ali onde tantos se afogam
eu escrevo nas águas.

(Fernando Campanella)

12 comentários:

  1. Maravilha de poema, encantado c tamanha beleza, e enaltecido pelo prestigio de ver uma imagem minha tão maravilhosamente abrilhantada com o talento do poeta e da amiga webdesigner! Perfeita combinação! Parabéns e obrigado sempre!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  2. "Conte a sua história ao vento,
    Cante aos mares para os muitos marujos;
    cujos olhos são faróis sujos e sem brilho.
    Escreva no asfalto com sangue,
    Grite bem alto a sua história antes que ela seja varrida na manhã seguinte pelos garis.
    Abra seu peito em direção dos canhões,
    Suba nos tanques de Pequim,
    Derrube os muros de Berlim,
    Destrua as catedrais de Paris.
    Defenda a sua palavra,
    A vida não vale nada se você não
    viver uma boa história pra contar."
    (Pedro Bial)

    Na impossibilidade de entrar em detalhes, como eu gostaria imensamente como todos amigos que tenho, venho trazer um pouco de poesia e desejar que seu domingo, sua nova semana seja de mil cores, que tenhas muitas alegrias!

    Um abraço

    Sônia

    ResponderExcluir
  3. Gostei do seu Lótus ou Loto.
    "Eu escrevo nas águas" - lindo.

    Prefiro a 2ª versão, mais síntese. Mas colocaria o título "Lótus" - a palavra "loto" precisa de explicação. Nem precisaria "meu lodo" - os dois últimos versos dizem tudo. Valem por um poema completo.

    Abraços,
    Brandão.

    ResponderExcluir
  4. Obrigado pela visita, Brandão. Seus comentários são bem-vindos e pertinentes. Um olhar de um poeta sobre nosso trabalho sempre traz nova luz. Em sua opinião, o poema então ficara assim?

    LÓTUS

    Meu lago
    meu lótus

    ali onde tantos se afogam
    eu escrevo nas águas.

    ResponderExcluir
  5. Obrigado, também, meu amigo Antonio, eu me lembro quando vc tirou a foto, da concentração e do 'estado de poesia' em que se encontrava. Nada mais apropriado que juntar teu trabalho ao meu pelo talento da Leila. Grande abraço.

    ResponderExcluir
  6. Obrigado, Sonia, pelo carinho de tua presença. E pelo poema do Bial. Grande abraço.

    ResponderExcluir
  7. Uma bela composição a três mãos.
    O seu poema singelo é de uma beleza delicada: "escrever na água..." Gostei muito.
    Obrigada pelas palavras deuixadas no meu "Ortografia".
    Um abraço Fernando

    ResponderExcluir
  8. Texto, imagem e formatação impecáveis.

    Adorei!!!

    ResponderExcluir
  9. Obrigado, Graça. Teu blogger é maravilhoso, teus poemas são singulares, com imagens densas e musicalidade. Fico feliz com tua visita aqui.

    ResponderExcluir
  10. Obrigado, Amália, pela presença. Como a Graça Pires disse acima, uma composição a três mãos. Um diálogo entre as formas de criação. Grande abraço, adoro tua presença aqui.

    ResponderExcluir