quinta-feira, 25 de junho de 2009

REVISITADO


Foto by Fernando Campanella


Bem-vindo à minha casa
mas se quiseres ir ao sótão
traz as velas , algo ali vive
que não permite a crua luz
escancarada.

Eu o revisito tantas vezes
e não me incomodam seus trastes,
alguns ratos - eles me convivem,
eu sou o velho hóspede da casa.

Subo e desço no cotidiano ato,
gosto de ir às vezes regar,
antes que esquecidas mal cheirem,
as flores de meu cercado
(com a palma de meus olhos
acaricio as ternas fugacidades).

Desço e subo, vou por estes cômodos
sonambulando.

Acomoda-te em minha casa
mas se quiseres entrar em meu sótão
acende as velas.

Ali já estou aclimatado,
sou amigo do gato, eu furto a luz
pelas mínimas frestas do telhado.
Ali todas artimanhas já incorporei,
eu sei dos hábitos, eu me convivo -

eu sou o velho fantasma da casa.

Fernando Campanella

15 comentários:

  1. Nunca apague a vela
    que os fantasmas acenderam
    contra a luz do sol.

    Um abração, Fernando.

    ResponderExcluir
  2. Somos capazes de viver com nossos próprios fantasmas, mas os outros precisarão de luz para entender...belo poema!
    abraço

    ResponderExcluir
  3. Belíssimo, mistério poético, fantasmas q habitam nosso interior, descritos d forma leve! Um dos meus favoritos! Abraço...

    ResponderExcluir
  4. Fernando, boa noite!

    "Revisitado" é um de meus favoritos, pois lembra-nos esse nosso lado escuro - tão secreto - que raramente revelamos aos outros. Publiquei-o em meu Blog em março, e hoje, revendo-o, fiz as devidas correções numa e outra palavra.

    Bjs.

    ResponderExcluir
  5. Eu acenderei as velas. Posso visitar seu sótão?
    Gostei muito do poema e do "velho fantasma da casa".
    Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Adoro este poema...
    Dentre tantos outros este é
    inesquecível...

    ResponderExcluir
  7. ma-ra-vi-lho-so!! Ave Fernando. Lindo,lindo. Que continue inspirado ,sempre pro nosso deleite.
    estou te descobrindo agora e encantada.

    ResponderExcluir
  8. Sim, José Carlos, nunca apaguemos as velas que os fantasmas acendem contra a luz do sol. Esse lume, essa outra luz é revela-nos outras facetas, outras nuances em nosso caminhar pela nossas sombra. Abraço.

    ResponderExcluir
  9. Olá, Sonia, lembrei, com teu comentário, de um outro poemeto meu que diz assim:

    Eis o teu sol da meia-noite,
    eis a luz transfigurada,
    benditos os que vivem em bons termos
    com o hóspode imaginário,
    com a louca da casa.
    Fernando Campanella

    Abraço.

    ResponderExcluir
  10. Obrigado pelo comentário , Antônio Carlos. Se o poema ficou leve, fico feliz pois essa foi uma de minhas intenções, acredito, ao escrevê-lo. Tornar nossa morada mais íntima hábitável e nossos fantasmas menos ameaçadores. Obrigado pela visita. Grande abraço.

    ResponderExcluir
  11. Obrigado, Flor, pela visita e pelo simpático comentário. Muitas vezes nos sentimos estranhos com peculiaridades, idiossincrasias. Temos pensamentos que não comunicamos a ninguém. A mente humana é complexa, uma caixa de surpresas, nem sempre agradáveis. -Mas é isso, ela nos diz - decifra-me ou te devoro.
    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  12. Boa noite, Graça, você vai trazer a luz para meu sótão, será muito bem-vinda, mas peço compreensão, rs.... Bjos , obrigado pela amável visita.

    ResponderExcluir
  13. Boa noite, Amália. Gosto muito desse poema também pois fala de coisas complexas de uma maneira simples, embora metafórica. Mas, como eu disse em outro texto meu 'viver, no sentido mais encantado da palavra, é mataforizar. Obrigado pela visita, minha querida amiga. Bjos.

    ResponderExcluir
  14. Boa noite, Lisette, fico feliz com tuas palavras, pela presença em meu blogger. Apareça sempre, havendo sintonia criamos juntos. Abraço.

    ResponderExcluir