sábado, 27 de junho de 2009

CURARE


Foto: frasco de curare
by Marcia Valle, de sua galeria no Flickr*


O amor é ora barroco
ora me liberta -
que sono é esse
que mais que me adormece
me desperta

que erva as flechas
e me deita em asas -
delicado veneno
para qual o antídoto
é o mesmo amor.

Fernando Campanella

*Foto: "Veneno indígena, Curare, extraido em 1897 e guardado nesse frasco em 1900 por meu bisavô, Antonio Procópio do Valle Junior, em sua pharmacia Procópio, na cidade de Rio Novo, Minas Gerais, Brasil." (Marcia Valle)

8 comentários:

  1. Fernando Campanella, importas se postar poemas seus no meu blog? porque estou gostando dos teus "venenos" rsrsrs , e como o antídoto é sempre o amor seria bom espalhá-los mais e mais,nao é?
    abraços

    ResponderExcluir
  2. O amor é o veneno e o antídoto - gostei.
    Abração.

    ResponderExcluir
  3. Para cada mal o seu igual, se poderia dizer então que o amor é uma espécie de mal que para curar só com seu próprio veneno?
    Belo poema.
    abraço

    ResponderExcluir
  4. Olá, Lisette, obrigado pela visita, pelas palavras. Fico muito feliz que meus escritos tenham te tocado. Pode postar meus poemas lá em teu blogger, sim, ficarei agradecido. Grande abraço.

    ResponderExcluir
  5. Olá, José Carlos, o que cura também pode matar. Ajustemos as doses. Obrigado pelo visita. Abraço.

    ResponderExcluir
  6. Obrigado, Sônia. O que considero mais interessante quando criamos um poema é que não há uma lógica pré-determinada. Os versos saem e se organizam em sua busca de forma e luz. Os elementos de uma manifestação artística, por extensão, se agregam e constroem um corpo com sua própria lógica. Grande abraço

    ResponderExcluir
  7. Eta, esse sentimento q todos perseguem, todos querem, todos almejam, maravilha de poema... parabéns...

    ResponderExcluir