sexta-feira, 24 de julho de 2009

ODE ÀS MANHÃS TRANSFIGURADAS


São Sebastião das Três Orelhas, sul de MG
Foto concedida by Ary Júnior*

Sim,
Outras são as manhãs
Após as chuvas
Em doces gotas de amêndoas
E emblemáticos suores de uvas.

Manhãs em hortas regadas,
Frescor de sumos, feiras livres-
‘Salsa, sálvia, rosmaninho, tomilho’ -
Respingos de amor em refrões medievais

Sedosas manhãs molhadas,

Especiarias mais raras,
Orquídeas do Nepal,
Cravos da Ìndia,
Poção mágica,
Erva medicinal.

Cromáticas manhãs lavadas:
Verde- ingás, vermelho-pintangas
E tantas mais cores que bailam
No pomar de líquidas miçangas.

Límpidas crisálidas,
Abelhas em trânsito,
Pássaros cantantes
Lavandas,

Geadas

E ainda turíbulos,
Aromas de incenso,
Antigas lágrimas de semanas santas
Nos missais.

Bendito, o fruto de vosso ventre,
Manhãs transfiguradas,
A germinar, a se abrir
No úmido jardim das palavras.

Fernando Campanella

* A foto da postagem foi gentilmente cedida pelo autor, Ary Júnior, para ilustrar o poema. A paisagem é de São Sebastião das Três Orelhas, Gonçalves , sul de MG. O Ary é dono de uma pousada maravilhosa naquela vila de Gonçalves, a Pousada Três Orelhas. Eis o link do site de sua pousada:
http://www.tresorelhas.com.br

3 comentários:

  1. Que poema perfumado, Fernando. E colorido. Dá água na boca - ou nos olhos - uma manhã dessas.

    Passamos uns dias deliciosos em Monte Verde. Gonçalves parecia mais difícil - há uns lugares difíceis de chegar, nessas Minas Gerais. O que é bom tem que ser difícil, para se valorizar.

    Abraços, abraços.

    ResponderExcluir
  2. Este poema toca fundo na alma! Arrepia de ler, especial! Parabéns poeta. Nem tem sido raro enconta-lo em páginas e páginas de amigos e não amigos, tamanha a leveza e a beleza da imagem que ele pinta!

    ResponderExcluir