terça-feira, 18 de agosto de 2009

TEMPUS FUGIT (O AMOR É UM JARDIM)


'O Alentejo é um jardim'
Foto por Emilio Moitas (Moitas61 Flickr)*

O amor não sabe a papéis,
a tolas permutas

o amor se lembra quando de ti te esqueces
quando mais alucinas que te falta -

vagamos pelas torpes vielas, acendemos
nos baixios nossas mínimas luzes,
e o tédio, o tédio , se deixarmos,
nos entope insuportável as goelas -

mas o amor,
o amor é quando se cala,
quando nossos egos se rendem

e olha que a vida em sua chama
- tempus fugit - pelo amor se dissipa mais lenta,
se incorpora mais bela -

amor é quando abrimos os olhos
e vemos, em seus jardins,
desdobrarem -se os céus
no detalhe.

Fernando Campanella


* O trabalho fotográfico do português Emílio Moitas é mais uma das gratas surpresas que venho experimentando após minha entrada no Flickr. O fotógrafo-poeta mescla o factual e o lírico quando registra cenas da sua Arronches, situada no Alto Alentejo. Suas fotos no site vêm sempre acompanhadas de notas descritivas, ora versos de poetas portugueses ou espanhóis, ora informações históricas, políticas, formando um maravilhoso painel sócio-cultural-estético do Alentejo, terra onde uma poetisa tão querida aos brasileiros nasceu, viveu, abrindo-se em Florbela de Portugal.
Em sua foto , postada acima, com o título 'O Alentejo é um jardim', é o amor à bela natureza alentejana o que olhos e alma do fotógrafo nos revelam. No Flickr, como um adendo descritivo à foto, o fotógrafo brinda-nos com os versos do poeta Vitorino, em que se destacam:
... O Alentejo é um encanto
Uma braçada de rosas
Vou bailar com meus amores
Alentejanas e amorosas...

Texto by Fernando Campanella

3 comentários: