sexta-feira, 25 de setembro de 2009

MOTO


Horseshow Canyon, oeste de Drumheller, photo by Nancy Chow*

por que moer
a mesma pedra

por que a mesma esfera
sobre ossos
ad nauseam a girar?

nada mesmo de novo
sob o sol parece haver -
salvo um olhar

Fernando Campanella

*Congratulations, Nancy, for the beautiful photo above, a masterpiece, an absolutely breathtaking view, a fantastic capture of 70 million years of history, or Pre-History, for that matter.

(Parabéns, Nancy, pela linda foto acima, uma obra-prima, uma visão de tirar o fôlego, fantástica captura de setenta milhões de anos de história, ou Pré-História, melhor dizendo.)

5 comentários:

  1. Gostei de rever aqui o seu quase-epigrama: nada

    "mesmo de novo
    sob o sol parece haver -
    salvo um olhar"

    Nada de novo - nem o sol, nem a pedra. Conservemos o olhar virgem, olhemos para as coisas como se as víssemos pela primeira vez, o que é bem Alberto Caeiro, mas sempre vale.

    Tudo já foi dito, não há nehuma ideia nova. Somente o olhar é novo. Eu disse em mais de um poema algo como: "Vazei os meus olhos / para ver."

    Grande abraço, amigo.

    ResponderExcluir
  2. Boa noite, Fernando.

    Este poema soa como uma lição que se faz necessária: a do "reaprendizado do olhar". Vivemos o tempo do olhar de relance, e as coisas que vemos julgamos vulgares e esperadas. Triste essa nossa época de desencanto pessimista,onde nada é novo... mas somente porque não temos "um novo olhar".

    Obrigada pela pureza destes versos.

    Bjs.

    ResponderExcluir
  3. Belissímo Fernando, como sempre!
    Absolutely breathtaking, my brother in soul!
    Parabéns, kisses.

    ResponderExcluir