quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

DIÁLOGO


Foto by Fernando Campanella

Abaixo, uma montagem que fiz com alguns poemas meus e os comentários de meu amigo Brandão, (http://poesiacronica.blogspot.com/ ) aos mesmos.
Um diálogo com um tema tão gasto/tão novo como um ano que finda e outro que inicia.

Os segundos, as horas, os anos,
lá se vai mais um dia
do tempo que inventamos....

(Fernando Campanella)

Criamos o tempo, que nos destrói, mas a beleza nos salva. A beleza é de tal forma essencial que a forma mais sublime de Santo Agostinho referir-se a Deus foi na apóstrofe: "Ó Beleza antiga e sempre nova!"

(José Carlos Mendes Brandão)

por que moer
a mesma pedra?

por que a mesma esfera
sobre ossos
ad nauseam a girar?

nada mesmo de novo
sob o sol parece haver -
salvo um olhar

(Fernando Campanella)

Nada de novo - nem o sol, nem a pedra. Conservemos o olhar virgem, olhemos para as coisas como se as víssemos pela primeira vez, o que é bem Alberto Caeiro, mas sempre vale. Tudo já foi dito, não há nehuma ideia nova. Somente o olhar é novo. Eu disse em mais de um poema algo como: "Vazei os meus olhos / para ver."

(José Carlos Mendes Brandão)

4 comentários:

  1. Dialoguemos.

    O diálogo é a razão-sensibilidade-ser que se envia ao outro.

    Sabe que o evangelho de hoje é uma das mais belas partes da Bíblia, o intróito de João? "No princípio era o Logos", ele escreveu, "e o Logos se fez carne e habitou entre nós".

    Num diálogo muito de nós - algo quase divino - se comunica com o outro.

    Abração.

    ResponderExcluir
  2. Passei para desejar que tenha um Feliz 2010.

    Bendito quem inventou o belo truque do calendário, pois o bom da segunda-feira, do dia 1º do mês e de cada ano novo é que nos dão a impressão de que a vida não continua, mas apenas recomeça...

    Mário Quintana

    beijoss com carinho.Lia...

    ResponderExcluir
  3. Maravilha de postagem! Perfeita, linda sintonia entre grandes poetas!

    ResponderExcluir