domingo, 17 de janeiro de 2010

JOGO


Mar de Fernando Noronha
Foto by Fernando Campanella

Há os que buscam continentes,
eu fico,
é menos sólida
a terra de que me sustento.
( Ah, a densidade dos anjos,
os imprecisos firmamentos! )

Há os que apostam em veleiros
e desafiam os ventos,
eu passo.

Eu do mar abro os búzios,
meu lance
é a configuração do silêncio.

Fernando Campanella, 2006.

7 comentários:

  1. configurara o silêncio...
    que lindo, fernando...
    e a imagem fala por si.
    venho te dar meu abraço de domingo, amigo.
    abração do
    roberto.

    ResponderExcluir
  2. Campanella,
    Vir aqui é colírio prozolhos e pralma. Porisso venho sempres: contemplar seu jogo dentre o fogo, a água, a terra e a imargem.

    Dolhos e alma lavados,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito deste poema. Densidade dos anjos, configuração do silêncio... Imagens fortes. Lembrei Rilke começando as Elegias de Duíno: "Quem, se eu gritasse, me ouviria, entre as legiões de anjos?" Sua existência demasiado forte me aniquilaria, diz Rilke, então eu, com Campanella, fico com a configuração do silêncio.
    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  4. Faço minhas as palavras de todos os amigos que antes postaram! És especial, demais! Abraço!

    ResponderExcluir