quarta-feira, 26 de maio de 2010

EMILY DICKINSON, DIÁLOGO & TRADUÇÃO


Foto by Fernando Campanella

quantas mortes incorporo
- sobrevida -
para palpar a leveza
de uma folha caída

(Poema inspirado pelo poema
de Emily Dickinson, abaixo, por Fernando Campanella)

Há uma certa inclinação da luz
em tardes invernais
que oprime como o peso
dos tons dos hinos nas catedrais.

Celestial ferida nos impõe,
nenhuma cicatriz incita
salvo interna diferença
onde o significado habita.

Ninguém nada pode lhe ensinar,
ela é o selo-desespero,
uma aflição imperiosa
enviada a nós do ar.

Quando chega, a paisagem atenta,
as sombras cessam o respirar,
quando parte, é como a distância
no olhar da morte a se alongar.

(Emily Dickinson, tradução de Fernando Campanella)

Dedico a Emily esta peça do compositor britânico Henry Purcell (1659-1695), The Hole in the Wall.




There’s a Certain Slant of Light,
Winter Afternoons —
That oppresses, like the Heft
Of cathedral Tunes —
Heavenly Hurt it gives us — 5
We can find no scar,
But internal difference,
Where the Meanings, are — None may teach it — Any —
’Tis the Seal Despair — 10
An imperial affliction
Sent us of the Air —
When it comes, the Landscape listens —
Shadows — hold their breath —
When it goes, ’tis like the Distance 15
On the look of Death —

(There's a certain slant of light, Emily Dickinson)


12 comentários:

  1. rapaz...
    cadê meu oboé?
    vc capta cada tarde, fernando... que fico daqui, embascado...

    ResponderExcluir
  2. Gostei do diálogo com Emily Dickinson.
    As folhas caídas. Com matizes intermitentes que podem mudar a paisagem. De tão belas. De tão leves. De tão frágeis...
    Um beijo meu amigo Fernando.

    ResponderExcluir
  3. Que diálogo maravilhoso entre textos.
    Adorei, meu amigo.
    Beijo


    (vida de professora anda difícil)

    ResponderExcluir
  4. Tudo foi dito!
    Lindo e especial!
    Obrigada por dares luz a nossos dias!
    Kisses my brother in soul.

    ResponderExcluir
  5. Fernando: a postagem é tão linda, tão linda e completa, que fiquei sem palavras, sinceramente.

    ResponderExcluir
  6. No seu poema, na imagem, na música, uma certa tristeza e a leveza de uma folha caída.

    bjs

    ResponderExcluir
  7. Essa Emily Dickinson me causa simpatia.
    Gosto do seu estilo de poetar com a rima.

    E também gosto do seu...

    "quantas mortes incorporo
    - sobrevida -
    para palpar a leveza
    de uma folha caída"

    *.*

    ResponderExcluir
  8. A leveza de Emily Dickinson, como para esconder o espinho do transitório. Você capta bem essa leveza, e esse desencanto.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  9. Muito boa a sua tradução de Emily Dickinson, Fernando.

    É muito rica essa imagem da última estrofe do poema:

    Quando chega, a paisagem atenta,
    as sombras cessam o respirar,
    quando parte, é como a distância
    no olhar da morte a se alongar.

    Grande abraço,
    Pedro.

    ResponderExcluir
  10. Very original, very creative,...a verse having it's own inherent music !

    Fernando Campanella,...a wordsmith with camera !
    I'm proud I know him !

    ResponderExcluir
  11. continuouslу i uѕed to read smaller content that alѕo clear their mοtive,
    and that іѕ also happening with this рost which ӏ am
    reaԁing at thіs time.

    my wеbsitе ... www.sfgate.com
    Also see my webpage - http://gofriendgo.com/index.php?do=/profile-1815/info/

    ResponderExcluir