sábado, 5 de março de 2011

DIGO AO VENTO


Foto por Fernando Campanella


se abro minhas cartas
como nervuras ao tempo
não se engane que sou frágil
ou transpareço

- vão meus comboios ao relento
eu retardo
há em mim silêncios de esfinge
sou o cristal que me guardo

Fernando Campanella

6 comentários:

  1. Oh my Goooooooooody...!

    Ninguem comentou ainda...pq tá todo mundo viajando nesse mundão de meu Deus.
    Ainda bem q tem um mundão... pra quem quiser viajar... eu não... av... viajar numa época dessas, com essas estradas. (nã..ñ...ñi...nanã...)
    Melhor mesmo é vir aqui me deleitar com as cositas q cê faz...
    Pôooooooxa... adorei!
    Como sempre... "DIGO AO VENTO"

    Fique com Deus, bju grde!


    *.*

    ResponderExcluir
  2. Que beleza meu amigo!
    Beijinho atlântico

    ResponderExcluir
  3. Boa noite, Mari, entrei no blog agora e vi teu comentário, o qual me deixa muito feliz. Muito obrigado pelo incentivo, carinho e amizade. Obrigado por dedicar um tempinho ao blog nesta época tão agitade de carnaval. Grande abraço, minha amiga.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Obrigado, Ana, pela visita, e obrigado também pela resposta de outra seção de comentários em outra postagem, referindo-se à boa ousadia quanto à postagem de um poema de Camões junto ao meu. Realmente, Camões é clássico, e clássico é clássico, muito inspirador mesmo.
    Grande abraço, minha amiga, deste lado do Atlântico.

    ResponderExcluir
  6. Fernando,
    tudo que escreves em relação ao vento ( no caso a metáfora), é sempre um sucesso absoluto, de bom gosto impecável!
    Estou 'levando' para divulgar essa beleza, no face e no meu blog,
    muito grata por compartilhares conosco tão/tantas maravilhas!
    É um privilégio ser tua 'sister in soul!
    Kisses.

    ResponderExcluir