domingo, 22 de novembro de 2009

A ARTE DOS OCIOSOS*


Exoesqueleto da cigarra
Foto by Fernando Campanella

(Crônica dedicada ao meu caríssimo amigo poeta José Carlos Brandão)

Tão antiga a lenda da cigarra e a formiga, traduzida e recontada mundo afora... E eu nunca vi uma cigarra ao vivo. Só escutava seu canto tão denotativo do verão.

Das onipresentes formigas, eu sei: na pia da cozinha, nos rodapés, nas árvores, em toda terra, atarefadíssimas, sem pausas para a fruição pura e simples da existência.

Nunca vi uma cigarra ao vivo, ou melhor, hoje quase as vi. Imóveis nas árvores, inúmeras, com seus ferrões como estiletes, semelhantes a escaravelhos de ouro. Ocas, secas... e mortas, seus esqueletos dourados nos troncos.

Em meu desconhecimento desses bichos, um tanto apavorantes à primeira vista, imaginei-as tendo morrido, ali, subindo os troncos, devoradas pelas incansáveis formigas, só lhes restando a carcaça. Haviam morrido de tanto cantar, imaginei. Mas fui às enciclopédias descobrir sobre o mecanismo e processo vitais desses mitológicos insetos.

Ah, então as cigarras põem seus ovos em troncos de árvores, os quais eclodem em ninfas que descem ao subsolo, ali vivendo, na escuridão , por anos e anos. Depois, ainda ninfas, retornam ao ar, subindo pelas árvores . Desfazem-se dos exoesqueletos, tornando -se adultas, em um processo denominado ‘ecdise’, ou ‘muda’.

As cigarras que observei nos troncos haviam me enganado. Não estavam mortas, nem secas. O que eu presenciara foram suas ‘casacas’, seus invólucros dourados. Lá em cima, nos galhos, as espertinhas cantavam, ou melhor, estridulavam , os machos, para atrair as fêmeas.

Melhor ter como respaldo a conhecimento científico, que lança certa luz sobre os mistérios e ciclos vitais da natureza. E é a ciência que, a meu ver, mais enobrece as cigarras. Seres que das masmorras, da escuridão de anos, anseiam pela luz, sofrem metamorfoses, e, na fase final de breves dias, cantam para a glória do amor. Verdade que um canto irritante, a longo prazo, proveniente de seus tímbalos com potentes decibéis.

É fato, também, que, contradizendo o fabulário, esses insetos, na longa fase de ninfas, buscam incansavelmente por raízes para sua subsistência, jamais recorrendo a outros insetos para alimentação.

As formigas, movidas por um inerente mecanismo biológico trabalham, trabalham... Transportam das cigarras as carcaças, porém nem sequer lhes emulam o canto, passam longe de sua magia, de sua graça.

(Fernando Campanella, 14 de novembro de 2008)

Observação: Vejam um complemento a esta crônica em duas postagens anteriores a esta.

*'A arte dos ociosos' é um título de um livro de crônicas de Hermann Hesse.

*Um ano após escrever esta crônica, tive a feliz oportunidade de presenciar e fotografar uma cigarra deixando seu exoesqueleto, ou invólucro, e, em seguida, subir o tronco da árvore, para o acasalamento.

6 comentários:

  1. Muito curioso tudo quanto nos contas das cigarras. Gostei muito do texto e das fotografias da formiga e da cigarra. É uma fábula muito interessante, essa, sobre a qual muitos poetas escreveram já.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns, poeta!! Gde homenagem, e merecida com certeza! Belo texto, e a foto? Puxa demais... Abraço...

    ResponderExcluir
  3. Bem, eu adoro o canto das cigarras, elas me lembram que o verão vem chegando, mas saber um pouco mais sobre elas foi muito bom!
    um abraço

    ResponderExcluir
  4. Sempre simpatizei mais com a cigarra,
    na fábula.

    Agora mais ainda!

    Bjs.

    ResponderExcluir
  5. Parabéns pela crônica, Campanella. Difícil mesmo penetrar no mundo das cigarras. Ia dizer mundo inquietante - e não é inquietante? É um mundo poético. E um modo poético.

    Grande abraço.

    ResponderExcluir