segunda-feira, 28 de junho de 2010

MAGO


Foto por Fernando Campanella

...mas as pessoas da sala de jantar
essas pessoas da sala de jantar
são ocupadas em nascer e morrer...
(Mutantes)

Lá vem o dono da arte
de fraque açafrão
e cartola chinfrim.

Lá vem o mágico
da Cia. das cores
da estrepolia dos sons
que rima coração com abóbora
e reconcerta os tons.

Quanto lhe dão
por um assombro de imagem,
pela pantomina dos sonhos?
(Talvez o mundo, um ‘ não, obrigado’
Ou um pontapé no selim.)

Que importa?
O mago o que é?
É ladrão de beleza,
é revelia.

É também clown
que pirueta a tristeza
solta pum
e cheira a capim.

Fernando Campanella, 1998

Pesquisando vídeos para esta postagem, deparei-me com 'Panis et Circenses', dos Mutantes, e ouvindo a música foi todo um passado ( final da década de sessenta/início dos anos setenta) despertando em mim.
Que poder tem a música de evocar vivências! No caso especial dessa canção ouvida hoje foram uma época, um sentimento de mim, do mundo, reavivados.

Tempos tenebrosos aqueles no Brasil, politicamente falando. A ditadura em pleno domínio de corpos e mentes. E, na contrapartida, a mais bela irreverência e a renovação na MPB, com as presenças de Caetano, Gil, Gal, Bethania, Chico Buarque, Vandré, Ney Matogrosso, Os Mutantes...

Bem-vindas foram a juventude e a coragem daquela arte, trazendo a leveza, e também o protesto, a contestação dos valores autoritários arraigados na mentalidade patriarcal de nosso país.

Houve mudanças desde então: abertura política, outras visões e posturas. Porém, muito há, ainda, por se fazer, , a evolução, segundo me parece, é um processo, não um fim em si própria.

'Panis et Circenses' permanece incrivelmente jovem, tão válida naqueles tempos como agora. Nos dois vídeos aqui apresentados, temos duas leituras mais atuais da música dos Mutantes. O primeiro nos traz um ótimo trabalho feito por alunos da Univali (Universidade do Vale do Itajaí); o segundo é um vídeoclipe com a interpretação de Marisa Monte.

A arte não tem idade, e que assim seja com nossos corações.


http://www.youtube.com/watch?v=VPN4lwVcZLo

13 comentários:

  1. esta música é magica e o poema faz voar...

    ResponderExcluir
  2. música, poema, passarinho...
    tudo exposto por seu "olho lírico", poeta!
    eu falho mas não tardo...rs
    é sempre bom passar por aqui.

    abraço grande, fernando.
    r.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Obrigado, Nydia,pela presença. 'Panis et circenses' é realmente mágica, não me canso de ouví-la, mexe muito com nossas posições burguesas herdadas, mas de uma maneira linda. Grande abraço.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Olá, Roberto, meu grande amigo. 'Música, poema, passarinho'... que voos musicais o blog nos permite, hein? Fico feliz que tenha gostado. Sabe, às vezes fico com certo receio de 'dar um furo', isto é, de uma coisa não bater com a outra na postagem... faço associações aqui seguindo uma certa intuição, e me preocupo se vai causar uma certa polêmica... mas polêmicas trazem muitas vezes a luz. Grande abraço.

    ResponderExcluir
  7. Olha, Ana Lúcia, veja o que achei sobre os clowns, dito por Charles Chaplin, com tradução minha:
    "Eu continuo apenas uma coisa, e uma coisa somente - um palhaço (clown). Isso me coloca em uma posição mais alta do que qualquer político."
    Acredito que o 'clown' a que fiz alusão nesse poema tem a ver com essa postura de que nos fala Chaplin. A irreverência, a leveza, o humor, apesar dos golpes, da cegueira, da insensibilidade do mundo.
    Grande abraço, e muito obrigado pela presença aqui.

    ResponderExcluir
  8. Delícia de poema, Fernando!

    A música tem mesmo o dom de acordar os sentimentos e tirar da gaveta as lembranças. Você viu Loki, o documentário sobre o Arnaldo Baptista? Vale ver.

    Beijo pra você

    ResponderExcluir
  9. Mago é você, meu amigo, que investiga e investigando escreve um belo poema. Gosto muito de ouvir a Marisa Monte. E Gostei do passarinho.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  10. Olá, Sylvia, obrigado pela visita e comentário. Olha, vi alguns trechos do documentário 'Loki' aqui pela Internet, e achei ótimos, parece ser um excelente documentário, com prêmios e tudo mais. Vou procurar assistir. Grande abraço, e volte sempre.

    ResponderExcluir
  11. Muito obrigado, Graça, minha amiga. Muita magia há em teus poemas, com uma linguagem densa e ao mesmo tempo diáfana, reveladora de segredos lindos da alma.
    Gosto muito desse vídeo da Marisa Monte também, acredito que tenha sido lançado no final de década de noventa.
    Fico feliz que tenha gostado da foto do bem-te-vi, pássaro que não sei se existe em Portugal.
    Bjos.

    ResponderExcluir
  12. Adorei o poema, Fernando. E o conjundo, esse casamento que vc sabe fazer entre as artes.

    ResponderExcluir
  13. Obrigado, Gerana, o blog nos permite realizar isso, uma integração, um casamento, como você diz. Uma certa abordagem holística é o que busco aqui. Apareça sempre, grande abraço.

    ResponderExcluir